latest articles

Prova - Tecnólogo IFPB Concurso 2013


Prova realizada no dia 15 de Dezembro de 2013. Edital 275/2013

Para baixá-la em PDF, acesse este link [Mediafire].
Read more

Como cancelar o recebimento de mensagens publicitárias de sua operadora



Boa noite a todos, trago este post essencial para qualquer brasileiro que faça uso de celular como meio particular de comunicação. Conforme informado por cada operadora, existe um número padrão para o cancelamento de mensagens de texto de cada uma delas, sendo estas possíveis a aceitação/cancelamento peso usuário. Muitos usuários sentem-se incomodados por suas operadoras ao receber várias mensagens por dia, sendo elas incoerente com a perspectiva de aceitação e interesses de cada usuário, a verdade é que por padrão as operadoras enviam estas mensagens para vários usuários a fim de promover publicidade e sucessão de vendas, não só da telefonia, mas em diversos setores, como é o caso de sorteios de prêmios e inserção, mas não existe uma permissão imediada para com os usuários a fim de bloquear este tipo de recebimento, assim as operadoras em sua maioria, por padrão, enviam mensagens de textos com vários assuntos, horóscopo, promoções, publicidade e afirmações de recebimento de prêmios.

Para cancelar o recebimento destas mensagens, o procedimento é simples, segue abaixo uma lista com cada número da operadora que responsabiliza-se pelo cancelamento de recebimento de mensagens publicitárias.

Envie Sair para:
OI: 55555
VIVO: 457
CLARO: 888
TIM: 4112
Read more

Iniciando com o Drools Rules

Recentemente tive que utilizar o Drools Rules para o realizar uma dada tarefa no meu TCC. Tive alguma dificuldade no que se refere a instalação da ferramenta e a compreensão da mesma.

Este post tem como objetivo ajudá-los na instalação e execução do exemplo mais simples que possa existir no Drools Rules.



Antes de tudo, se quer ler algo oficial sobre o Drools, vá aqui. Se quer ver a documentação, vá aqui.

Instalando e testando o Drools (Ubuntu/Linux)

Drools provém uma IDE baseado no Eclipse, que é opcional. Neste caso vamos instalar o plugin para utilizar em uma versão “normal” do Eclipse no sistema.


Instalar o GEF (Eclipse Graphical Editing Framework) que é utilizado para visualização de grafos no plugin. 
  • Abrir Eclipse e ir em Help->Software updates...->Available Software->Add Site... e colocar o link http://download.eclipse.org/tools/gef/updates/releases/ e colocar GEF como nome requerido. Depois dê OK. 
  • Marcar SOMENTE Graphical Editing Framework GEF para instalar, pressione Next e Aceite o acordo quando perguntado. 
  • Reiniciar Eclipse quando solicitado. 

Instalar o plugin do Drools no Eclipse.
  • Baixar Drools and jBPM tools em http://www.jboss.org/drools/downloads.html 
  • Deszipar dentro do diretório principal do eclipse e deixar com permissões 775 via chmod. 
  • Abrir o ReadMe dentro do zip e seguir as instruções, que devem ser mais ou menos estas:
Instalando o plugin no Eclipse
- Abrir Eclipse.
- Abrir o menu "Help", item do menu "Install new software..."
- Clicar no the botão "Add..." to add a new software site.
- Coloque no nome "drools local update site"
- Clique no the botão "Local..." e selecione ".../binaries/org.drools.updatesite" ← referente ao diretório deszipado.
Select todos os plugins. Clique “Next” e “Finish”.


Instalar e Definir o Drools Runtime
  • Abrir Windows->Preferences->Digite “Drools” na pesquisa->Clicar em Instaled Drools Runtime
  • Há dois tipos de Runtime, o que vem no plugin e o que você pode baixar em um .zip separado. Vamos utilizar o que vem no .zip pois foi o que deu certo nos testes. 
  • (Baixar o .zip em: http://download.jboss.org/drools/release/5.5.0.Final/drools-distribution-5.5.0.Final.zip)
  • Clicar em Add e coloque um nome (“Drools5.5.0Final-bin”), clique em browse e aponte para a pasta “binaries” do zip que foi descompactado. 

Rodando um exemplo que vem junto do .zip
  • Importar no Eclipse: selecione como Projeto já existente e coloque “examples/sources/” como diretório raiz. Clique para copiar o projeto para o Workspace e clique em Finish
  • Abrir o menu Run, ir em Run Configurations, e adicione uma nova aplicação Java. Este “run” terá como classe principal “org.drools.examples.DroolsExamplesApp". Adicione argumentos para a VM: “-Xms256m -Xmx512m -server” e clique em Feche sem rodar AINDA. 
  • Abrir as propriedades do projeto e dirija-se ao Java Build Path. Exclua os dois “sources” inexistentes que se referem a alguma pasta “test”. 
  • Vá na aba Drools e veja se o runtime está definido corretamente. A opção correta aponta para a pasta “binaries” que veio do .zip baixado. 
  • Após estes passos os exemplos podem ser executados. Tente executar o Sudoku, carregar samples nos menus da janela do jogo e interagir com a janela. 

Criando um primeiro projeto simples
  • Antes de tudo, abra a perspectiva 'Drools'. Pode ser feito em Windows>Open Perspective>Drools . 
  • New > Other > Drools Project e coloque um nome para o seu projeto. 
  • Se perguntado para criar arquivos de exemplo, regras e etc, não aceite desmarcando as caixas. 
  • Ative a caixa 'Use Default Drools Runtime', geralmente já está ativado. Clique em Finish

Agora vamos criar uma classe simples em Java, chamaremos de RuleRunner. Na hora da criação crie um pacote para ela, algo como br.edu.ifpb.aleciano.drools, clicar em Finish.
Insira o seguinte código na classe: 

package br.edu.ifpb.aleciano.drools;

import java.io.File;
import java.io.InputStreamReader;

import org.drools.KnowledgeBase;
import org.drools.KnowledgeBaseFactory;
import org.drools.builder.KnowledgeBuilder;
import org.drools.builder.KnowledgeBuilderError;
import org.drools.builder.KnowledgeBuilderErrors;
import org.drools.builder.KnowledgeBuilderFactory;
import org.drools.builder.ResourceType;
import org.drools.io.ResourceFactory;
import org.drools.logger.KnowledgeRuntimeLogger;
import org.drools.logger.KnowledgeRuntimeLoggerFactory;
import org.drools.runtime.StatefulKnowledgeSession;

public class RuleRunner {
public static void main(String[] args) throws Exception {
try {
KnowledgeBase kbase = readKnowledgeBase();
StatefulKnowledgeSession ksession = kbase
.newStatefulKnowledgeSession();
KnowledgeRuntimeLogger logger = KnowledgeRuntimeLoggerFactory
.newFileLogger(ksession, "test");

ksession.fireAllRules();
logger.close();

} catch (Throwable t) {
t.printStackTrace();
}
}

private static KnowledgeBase readKnowledgeBase() throws Exception {
KnowledgeBuilder kbuilder = KnowledgeBuilderFactory
.newKnowledgeBuilder();
kbuilder.add(ResourceFactory.newClassPathResource("rule01.drl"),
ResourceType.DRL);
KnowledgeBuilderErrors errors = kbuilder.getErrors();
if (errors.size() > 0) {
for (KnowledgeBuilderError error : errors) {
System.err.println(error);
}
throw new IllegalArgumentException("Could not parse knowledge.");
}
KnowledgeBase kbase = KnowledgeBaseFactory.newKnowledgeBase();
kbase.addKnowledgePackages(kbuilder.getKnowledgePackages());
return kbase;
}
}

Agora vamos criar uma regra simples para rodar o exemplo.
  • New > Other > Rule Resource e clique em Next
  • Dê o nome rule01 para a regra. (o nome do arquivo deve ser rule01.drl
  • Na lista do tipo de regra selecione como New Rule (individual rule) - nova regra individual. 
  • Escolha um pacote para regra, use a mesma conveção da classe RuleRunner criada, coloque algo como br.edu.ifpb.aleciano.drools.rules. Clique em Finish
Use o seguinte código para a regra:
package br.edu.ifpb.aleciano.drools.rules

rule "Rule 01"
when
eval (1==1)
then
System.out.println("Rule 01 works.");
end


A partir daqui já é possível rodar o exemplo. Se estiver na perspectiva 'Drools', clique na bolinha verde com seta branca na barra de ferramentas para executar o arquivo. Se perguntado qual a 'main class', sete a classe RuleRunner.java. A execução não é diferente de escrever um código Java normal e dar Play.


Podem aparecer mensagens de 'erro' iniciadas por SLF4J indicando a falta de alguma classe padrão, mas o próprio Drools tem um ação para esta situação, o projeto irá executar sem problemas.
O console ficará da seguinte forma:


SLF4J: Failed to load class "org.slf4j.impl.StaticLoggerBinder".
SLF4J: Defaulting to no-operation (NOP) logger implementation
SLF4J: See http://www.slf4j.org/codes.html#StaticLoggerBinder for further details.
Rule 01 works.

Estudando as regras de sintaxe do Drools é possível escrever regras mais complexas, criar relações entre várias e outras funcionalidades providas pelo Drools Rules.

Tendo dúvidas, escreva para aleciano@ieee.org ou comente neste post. Obrigado!

Read more

Saiba a diferença entre um programador, um desenvolvedor e um cientista da computação


Li hoje um artigo muito interessante no e resolvi trazê-lo aqui para vocês. O fato é que todos nós somos um pouco de programador, um pouco de desenvolvedor e um pouco de cientista da computação. Mas cada um de nós tende a uma dessas três “categorias” e é muito difícil conseguir distingui-las.

O Cientista da Computação




Os cientistas da computação escrevem código… Não é o código mais organizado ou bem refatorado, mas um código que funciona e resolve o problema. Não se trata de seguir as boas práticas e sim de provar o que eles provar. Os cientistas computacionais são muito mais matemáticos do que tecnológicos. Eles não precisam saber se algo funciona, eles apenas se preocupam em provar se aquilo funciona ou não. Para um cientista da computação habilidades interpessoais e boa comunicação não são necessários.  

O Programador




Nas horas vagas eles, na maioria das vezes, trabalham em suas próprias pesquisas e, como você pode ver na foto acima, inspiram medo em todos os meros mortais (inclusive os programadores e desenvolvedores).

Os programadores escrevem códigos, os melhores dos códigos. Criam código limpo, organizado, refatorado e livres de erro são preocupações corriqueiras de um programador… Mas isso acaba fazendo que o resultado nem sempre seja a resolução do problema. É mais sobre saber o significado de “bom código” e ter o domínio disso. Eles até tem algumas habilidades matemáticas (bem menos do que os nossos amigos cientistas da computação), mas isso está longe de ser uma preocupação/obrigação para eles.

Eles precisam apenas saber as melhores soluções para os problemas que encontram mas não precisam saber (ou conseguir provar) que aquelas soluções são as melhores.

Os programadores já têm uma relação interpessoal melhor com seus companheiros de trabalho, mas ainda assim, como pessoas eles são ótimos programadores e nas horas vagas os programadores costumam trabalhar em projetos/produtos pessoais.

O Desenvolvedor 




Os desenvolvedores também criam códigos limpos, organizados e bem refatorados mas, além disso, disso outros fatores como segurança e testes também são importantes. Conhecimentos e habilidades matemáticas também não são indispensáveis, mas ajudam a encontrar soluções para os mais variados problemas que encontram. Uma boa comunicação e relação interpessoal são essenciais pois estes costumam trabalhar em conjunto com outros desenvolvedores e pessoas de outras áreas. 

São especialistas em achar formas diferentes (e igualmente eficientes) de resolver o mesmo problema. No tempo livre um desenvolvedor costuma tentar criar o novo Facebook ou se dedica a atividades extra computacionais, que não têm nada a ver com programação, desenvolvimento ou ciência da computação. Existem ainda outros pontos que podem ser levantados sobre cada uma dessas categorizações, mas o importante é notar que: o que muda de um para o outro é a forma de agir e as suas necessidades / preocupações básicas… Eu indiscutivelmente sou mais desenvolvedor do que programador e MUITO menos cientista da computação do que os outros dois.

E você? O que é?
Você, programador/desenvolvedor/Cientista da Computação, o que acha?
A seção de comentários é toda sua.

Fonte: olhardigital
Read more

Removendo o ícone / alerta de Caixa Postal da barra de notificação no seu Android

A notificação de Caixa Postal é um tipo de aviso nos smartphones Android que incomoda muita gente, ainda mais por ser complicado de ser retirado. Se você não quer pagar, ou não tem interesse nesse tipo de notificação e simplesmente quer se ver livre, veja baixo como é simples excluir a notificação:

Como fazer?

1. Clique e fique pressionado a Mensagem de Caixa Postal durante 4 segundos.
2. Agora clique em “Informação do aplicativo” que vai aparecer.
3. Clique na opção de “Limpar dados” que fica mais abaixo.
4. Clique em “OK” na mensagem de alerta.
5. Agora o aviso de Caixa Postal já foi removido.

Complicado? Modo alternativo:

1. Clique em “Configurações” do seu telefone.
2. Agora procure por “Gerenciador de aplicativos” nesse menu.
3. Agora coloque na aba de “Todos aplicativos” instalados.
4. Procure por “Telefone” que fica mais abaixo.
5. Agora clique em “Limpar dados” que fica nesse menu.


Fonte: eusouandroid.com
Read more

As 10 melhores técnicas de estudo, segundo a ciência

Um estudo recentemente publicado em janeiro de 2013 na revista científica Psychological Science in the Public Interest avaliou dez técnicas comuns de aprendizagem para classificar quais possuem de fato a melhor utilidade.

O resultado do paper traz algumas surpresas para o estudante.

Técnicas bastante populares no Brasil, como resumir, grifar, utilizar mnemônicos, visualizar imagens para apreensão de textos e reler conteúdos foram classificadas como as de utilidade mais baixa.

Três práticas foram encaradas como de utilidade moderada: interrogação elaborativa, auto-explicação e estudo intercalado.

E as duas que obtiveram o mais alto grau de utilidade na aprendizagem foram as técnicas de teste prático e prática distribuída.

É a ciência desaprovando boa parte do meu método de estudo, muito baseado em resumos, grifos, mnemônicos e mapas mentais. Por outro lado, foi confirmada a impressão que eu tinha de que a realização de exercícios em doses cavalares era extremamente efetiva para o estudo para concursos públicos.

Lembre-se de que o ranking reflete os resultados do estudo, porém cada pessoa tem o seu estilo de estudo e nada está escrito em pedra. Dito isto, falemos agora sobre as dez técnicas, das piores para as melhores.


Grifar (utilidade: baixa)

Tão fácil quanto ineficiente.

Prepara-se para dar um descanso ao seu grifador amarelo. O estudo aponta que a técnica de apenas grifar partes importantes de um texto é pouco efetiva pelos mesmos motivos pelos quais é tão popular: praticamente não requer esforço.

Ao fazer um grifo, seu cérebro não está organizando, criando ou conectando conhecimentos. Então, grifar só pode ter alguma (pouca) utilidade quando combinada com outras técnicas.

Releitura (utilidade: baixa)

Deixa eu ler pela quinta vez…

Reler um conteúdo, em regra, é menos efetivo do que as demais técnicas apresentadas. O estudo, no entanto, mostrou que determinados tipos de leitura (massive rereading) podem ser melhores do que resumos ou grifos, se aplicados no mesmo período de tempo. A dica é reler imediatamente depois de ler, por diversas vezes.

Mnemônicos (utilidade: baixa)

Remember, remember, SoCiDiVaPlu.

Segundo o dicionário Houaiss, mnemônico é algo relativo à memória; que serve para desenvolver a memória e facilitar a memorização (diz-se de técnica, exercício etc.); fácil de ser lembrado; de fácil memorização.

Em apostilas e sites de concursos públicos, é muito comum ver o uso de mnemônicos com as primeiras letras ou sílabas, como SoCiDiVaPlu para decorar os fundamentos da República Federativa do Brasil (artigo 1º da Constituição).

O estudo da Psychological Science in the Public Interest mostrou que os mnemônicos só são efetivos quando as palavras-chaves são importantes e quando o material estudado inclui palavras-chaves fáceis de memorizar.

Assuntos que não se adaptam bem a geração de palavras-chaves não conseguiram ser bem aprendidos com o uso de mnemônicos. Então, utilize-os em casos específicos e pouco tempo antes de teste.

Visualização (utilidade: baixa)

Exemplo de mapa mental.

Os pesquisadores pediram que estudantes imaginassem figuras enquanto liam textos. O resultado positivo foi apenas em relação a memorização de frases. Em relação a textos mais longos, a técnica mostrou-se pouco efetiva.

Surpreendentemente (ao menos para mim), a transformação das imagens mentais em desenhos também não demonstrou aumentar a aprendizagem e ainda trouxe o inconveniente de limitar os benefícios da imaginação.

Isso não invalida completamente o uso de mapas mentais para estudos, já que esses consistem além de desenho a conexão de ideias e conceitos.

De qualquer maneira, o resultado do estudo é que a visualização não é uma técnica efetiva para provas que exijam conhecimentos inferidos de textos.

Resumos (utilidade: baixa)

Vou resumir para você.

Resumir os pontos mais importantes de um texto com as principais ideias sempre foi uma técnica quase intuitiva de aprendizagem.

O estudo mostrou que os resumos são úteis para provas escritas, mas não para provas objetivas.

Embora tenha sido classificado como de utilidade baixa, a técnica de resumir ainda é mais útil do que grifar e reler textos. O paper diz que a técnica pode ser uma estratégia efetiva para estudantes que já são hábeis em produzir resumos.

Interrogação elaborativa (utilidade: moderada)

Por que é que a vida é assim?

A técnica de interrogação elaborativa consiste em criar explicações que justifiquem por que determinados fatos apresentados no texto são verdadeiros.

O estudante devem concentrar-se em perguntas do tipo Por quê? em vez de O quê?.

Seguindo o exemplo que demos pouco antes, em vez de decorar um mnemônico como SoCiDiVaPlu, o ideal seria perguntar-se por que o Brasil adota a dignidade da pessoa humana como fundamento da República? E buscar a resposta na origem do estado democrático de Direito e na adoção do princípio da dignidade da pessoa humana pelas principais democracias ocidentais após a Revolução Francesa.

Note que esse tipo de estudo requer um esforço maior do cérebro, pois concentra-se em compreender as causas de determinado fato, investigando suas origens.

Falando especificamente de concursos públicos, a interrogação elaborativa é um grande diferencial na hora de responder redações e questões discursivas.

Auto-explicação (utilidade: moderada)

Entendeu, Eu Mesma?
A auto-explicação mostrou-se ser uma técnica útil para aprendizagem de conteúdos mais abstratos. Na prática, trata-se de ler o conteúdo e explicá-lo com suas próprias palavras para você mesmo.

O estudo mostrou que a técnica é mais efetiva se utilizada durante o aprendizado, e não após o estudo.

Estudo intercalado (utilidade: moderada)

Vou alternar as matérias, na ordem dessa pequena pilha.

A pesquisa procurou saber se era mais efetivo estudar tópicos de uma vez ou intercalando diferentes tipos de conteúdos de uma maneira mais aleatória.

Os cientistas concluíram que a intercalação tem utilidade maior em aprendizados envolvendo movimentos físicos e tarefas cognitivas (como ciências exatas).

O principal benefício da intercalação, como já havíamos observado, é fazer com que a pessoa consiga manter-se mais tempo estudando.

Teste prático (utilidade: alta)

Simular é o melhor caminho.

Realizar testes práticos sobre o que você está estudando é uma das duas melhores maneiras de aprendizagem. A pesquisa científica mostrou que realizar testes práticos é até duas vezes mais eficiente do que outras técnicas.

No caso específico de concursos públicos, a recomendação é fazer toneladas de exercícios de provas anteriores. Não apenas do cargo para o qual você está estudando, mas qualquer tipo de questão que encontrar pela frente.

Como já recomendamos anteriormente, a maneira mais fácil de realizar testes é utilizando sistemas específicos para isso, como o site Questões de Concursos.

Prática distribuída (utilidade: alta)

Vou rever o conteúdo a cada 15 dias.

A prática distribuída consiste em distribuir o estudo ao longo do tempo, em vez de concentrar toda a aprendizagem em um bloco só (a.k.a. na véspera da prova).

Pesquisas mostram que o tempo ótimo de distribuição das sessões de estudo é de 10% a 20% do período que o conteúdo precisa ser lembrado. Por essa conta, se você quer lembrar algo por cinco anos, vocÊ deve espaçar seu aprendizado a cada seis meses. Se quer lembrar por uma semana, deve estudar uma vez por dia.

A prática distribuída também pode ser interpretada como a distribuição do estudo em pequenos períodos ao longo do dia, intervalando com períodos de descanso. Por exemplo, uma hora de manhã, uma hora à tarde e outra hora à noite.

Essa é exatamente a teoria de Tony Schwartz aplicada em técnicas de timebox como a Pomodoro Technique.

Quais as suas técnicas de estudo?

Se você está estudando algo, seja para concursos ou não, deixe suas opiniões sobre a pesquisa na caixa de comentários.

Quais dessas técnicas você utiliza? Você concorda com os resultados? Que outras técnicas de estudo você recomendaria?

Fonte: mude.nu
Read more

Robô Arduino


Nesse final de semana em San Mateo – Califórnia aconteceu a Maker Faire, no evento foi apresentado Arduino Robot, o mais novo produto da família Arduino.

O robô tem dois microcontroladores ATmega32u4, sensores IR, alta-falante, bussola, um novo shield LCD e aparentemente não possui encoders para as rodas.

Além de uma nova biblioteca de funções já disponível na IDE Arduino 1.0.5, mas espere, a comercialização terá inicio ainda em 2013.
Read more

Telefonica Vivo entra para o mercado de Cloud Computing

A Telefônica Vivo entrou, de vez, na briga pelo mercado de computação na nuvem no Brasil. Prioridade no plano de negócios dos próximos anos, a empresa anunciou nesta quinta-feira, 27/06, o produto Vivo Cloud Plus, ofertado a partir do datacenter de Santana de Parnaíba, em São Paulo. Serviços estão voltados para a nuvem pública, híbrida e privada, com alvo na Infraestrutura como Serviço (IaaS). Com cerca de 20 clientes na oferta de cloud, a tele garante que não está atrasada. "O momento é esse. Agora as empresas estão percebendo o valor da nuvem. E nós temos a conectividade", disse o diretor geral da Telefônica Vivo, Paulo Cesar Teixeira. 

Ciente que esse mercado de serviços na nuvem tem bastante players, o diretor de Negócios Empresa da Telefônica Vivo, Silvio Antunes, não se furtou a falar sobre o tema. " Estamos acostumados a entrar em ambientes hostis de grande competição. Nós temos o que eles (provedores de TI) não têm: conectividade. Nós podemos entregar o tráfego onde o cliente quiser", ponderou.  Outra grande aposta da empresa é atuar na gestão dos serviços público e privado na nuvem.


"Com a infraestrutura que temos aqui no datacenter podemos fazer a gestão do serviço na nuvem pública, da missão crítica na nuvem privada. Enfim, atuar como um provedor full de computação na nuvem", reforça Antunes. A expectativa é tão grande que o datacenter de São Paulo, ativado em setembro do ano passado, e que teve um custo estimado de R$ 400 milhões, já tem um plano de expansão para 2014.

Para criar o ambiente cloud, a Telefônica Vivo terá o IaaS baseado na tecnologia VBlock, criada pela VCE, joint venture criada pela Cisco, VMware e EMC. A oferta de Software como Serviço(SaaS) está na mira, com parcerias com provedores. "Não somos integradores de SAP, mas podemos atuar em parceria com eles para montar soluções desenhadas para o cliente. E aqui entra também as pequenas e médias empresas. Elas também estão na nossa mira. Não há, hoje, mais negócios que não passem por TI e Telecom", reforçou o diretor de Negócios da Telefônica Vivo.

Indagado sobre a concorrência de titãs no segmento - Google, Amazon e Microsoft na nuvem pública, e HP e IBM, na nuvem privada - o vice-presidente da Telefônica Vivo, Paulo Cesar Teixeira, disse que 'computação na nuvem está começando. Há lugares para todos". Mas destacou a questão da conectividade e, especialmente, o fato de a empresa estar funcionando no Brasil. "Estamos aqui. Temos suporte aqui. Temos equipes aqui. Isso faz a diferença para as empresas", reforçou o diretor geral da operadora.

Sem ter uma indústria como principal alvo - todas são consideradas estratégicas - a Telefônica Vivo passou a ser usuária dos próprios serviços. "Toda a operação móvel e fixa da empresa está aqui e há serviços na nuvem. Nós somos usuários do nosso produto", disse Antunes. Questionado sobre os projetos encabeçados pelos bancos - que estão construíndo datacenters próprios, o executivo disse que está pronto para atuar como backup e redundância. "Será preciso ter essa redundância para compliance, para recuperação de desastre", completou.


Read more

multisim 12 provisório

Galera, tá aí o multisim, baixem aí a vontade e usem, é muito bom pra estudar como vocês viram. Em breve irei organizar um post mais detalhado ensinando como usar e tudo mais.

1. baixe o arquivo
2. extrai o arquivo

3. Executar o autorun da pasta NI Multisim 12.0 para instalar normalmente, ao concluir a instalação
reinicie o computador.
4. Execute NI License Activator 1.1 para ativar, escolha cada subprograma e clique em ativar, ele irá ficar verde. clique com o botão direito em cima de cada sub programa dentro do licence activator e Repita para todos os programas.
5. Copia a pasta Portuguese para o diretório C:\Program Files\National Instruments\Circuit Design Suite 12.0\stringfiles para que o programa fique em portugues
6. reinicie o pc e pronto.

link: https://mega.co.nz/#F!85lRUJAB!GeQS32hW3YNwUlxQfffCVA
Read more

[Download] Curso Completo de Eletrônica Analógica - Teoria, Prática e Projetos - CEKIT


O Curso pratico de eletrônica moderna CEKIT é uma das melhores coleções de revistas de eletrônica, já produzidas. É bastante didático e com vários circuitos funcionais. Recomendo para quem quer entrar nesse fantástico mundo da eletrônica. É tanto indicado para iniciantes quanto para profissionais da área.

O curso é um conjunto de fascículos dividido em três partes, Teoria, Prática e Projetos, ambos completos e prontos para serem explorados. O fascículo Teoria está dividido em 15 capítulos, cada um capítulo foi postado separadamente para melhor dividir os estudos, podendo ser conhecido de cada vez. O fascículo Prática trata das principais ferramentas, instrumentos e métodos para manutenção corretiva e preventiva, bem como os métodos de trabalho na resolução de problemas e funcionamento de projetos. O fascículo Projetos é um mega fascículo que trata de 34 projetos para o leitor por em prática tudo o que estudou sobre teoria e prática, sem dúvidas uma ótima oportunidade para agravar a boa aquisição de conhecimento em eletrônica.

Com este curso, o leitor está apto a aprender outras expansões da eletrônica de maneira mais fácil, como Eletrônica Digital, Eletrônica de Potência e até mesmo Sistemas Microcontrolados, sem dúvidas um ótimo pré-requisito para técnicos, curiosos, estudantes e hobbistas.

Formato: .pdf
Temanhos
Teoria: 111.8 MB
Prática: 42.4 MB
Projetos: 20.9 MB
Servidor: MEGA
Clique na imagem acima para baixar
Divulgue, compartilhe, ajude. Viva!
Read more